quinta-feira, junho 20, 2024
Com Beto Carmona
InícioNotíciasAngra dos ReisMarinha defende que haja discussões sobre PEC que altera propriedade de terrenos...

Marinha defende que haja discussões sobre PEC que altera propriedade de terrenos litorâneos

A Marinha do Brasil manifestou-se sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que prevê a transferência da propriedade de terrenos litorâneos da União para estados, municípios e proprietários privados. Em nota publicada em 28 de maio, a instituição enfatizou a importância dessas áreas para a soberania nacional, o desenvolvimento econômico e a proteção ambiental.

“Essas áreas são pilares essenciais para a defesa da soberania nacional, o desenvolvimento econômico e a proteção do meio ambiente, considerando a diversidade de ecossistemas, a relevância das atividades econômicas ligadas aos ambientes marinho e fluviolacustre, além da necessária proteção de 8.500 km de litoral”, destacou a Marinha.

A manifestação ocorreu após a retomada das discussões sobre a PEC 2/2022 em audiência pública no Senado, realizada em 27 de maio. A proposta, aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados em fevereiro de 2022, gerou controvérsias e levou a Marinha a defender um amplo debate sobre o tema.

“A Marinha do Brasil reitera que as dimensões continentais do Brasil e a complexidade de sua sociedade exigem um debate abrangente, com a participação de toda a sociedade, para garantir a análise detalhada dos aspectos regionais e permitir um tratamento diferenciado e inclusivo, além de focar na soberania nacional”, reforçou a nota.

A instituição esclareceu ainda que os terrenos litorâneos não pertencem à Marinha, mas à União, conforme a Constituição. A Secretaria do Patrimônio da União (SPU), vinculada ao Ministério de Gestão e Inovação em Serviços Públicos, é responsável pela gestão desses terrenos, que são considerados patrimônio essencial para a salvaguarda dos interesses nacionais e do desenvolvimento sustentável do Brasil.

Posição do Governo

O governo federal, por meio do ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, posicionou-se contra a PEC e anunciou esforços para suprimir o trecho que tramita no Senado. “O governo é contrário a essa proposta de privatização das praias brasileiras, que vai restringir o acesso da população às praias e criar espaços privados e fechados. Vamos atuar contra na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Ainda há muito tempo para discutir na CCJ, e vamos explicitar nossa posição”, afirmou Padilha nesta segunda-feira (3).

Detalhes da Proposta

A PEC propõe a exclusão do inciso VII do artigo 20 da Constituição, que estabelece que os terrenos de marinha são propriedade da União. A mudança permitiria a transferência gratuita dessas áreas para estados e municípios, incluindo aquelas usadas por concessionárias e permissionárias de serviços públicos. A proposta também prevê a transferência de propriedade para ocupantes privados, mediante pagamento, desde que estejam registrados no órgão de gestão do patrimônio da União até a data de publicação da emenda. Ocupantes não registrados, mas que estejam nas áreas há pelo menos cinco anos, também seriam contemplados.

Áreas utilizadas pelo serviço público federal, unidades ambientais federais e áreas não ocupadas permaneceriam sob propriedade da União, conforme o relatório do senador responsável pela PEC.

Em entrevista ao Talk Show desta quarta-feira (5), o advogado Sânio Aquino esclareceu pontos importantes da PEC. A entrevista pode ser acompanhada no canal da Costazul no YouTube.

RELACIONADAS

MAIS LIDAS

SIGA-NOS

26,000FãsCurtir
13,300SeguidoresSeguir
1,420InscritosInscrever
Sorteio de Bonés no APP
X