quarta-feira, julho 24, 2024
Com Beto Carmona
InícioDestaquesSTF decide hoje se denunciados no caso Marielle Franco se tornarão réus

STF decide hoje se denunciados no caso Marielle Franco se tornarão réus

Nesta terça-feira (18), a primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) julgará se quatro acusados pelo suposto envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em 2018, se tornarão réus. A sessão está programada para começar às 14h30.

Os ministros decidirão sobre as denúncias contra Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ), Chiquinho Brazão, deputado federal (Sem partido-RJ), e Rivaldo Barbosa, ex-chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro. Os três estão presos desde março, em decorrência das investigações sobre o assassinato, e enfrentam acusações de homicídio e organização criminosa.

Além deles, outros dois acusados serão julgados. Ronald Paulo de Alves Pereira, conhecido como major Ronald, foi denunciado pelo homicídio, com a acusação de ter monitorado a rotina da vereadora antes do crime. Robson Calixto Fonseca, conhecido como Peixe, ex-assessor de Domingos Brazão no TCE, foi denunciado por organização criminosa, acusado de fornecer a arma usada no crime.

Segundo a Procuradoria-Geral da República (PGR), o assassinato foi ordenado pelos irmãos Brazão, com a participação de Rivaldo Barbosa, motivado por interesses econômicos de milícias e para desencorajar atos de oposição política de Marielle. A acusação baseia-se na delação premiada do ex-policial Ronnie Lessa, réu confesso das execuções.

Rito do Julgamento

O presidente do colegiado e relator da denúncia, ministro Alexandre de Moraes, abrirá a sessão, lendo o relatório que resume a tramitação do caso. Após a leitura, o representante da PGR defenderá o recebimento da denúncia. Os advogados de defesa terão 15 minutos cada para apresentar seus argumentos.

Os ministros Alexandre de Moraes, Cristiano Zanin, Cármen Lúcia, Luiz Fux e Flávio Dino votarão em seguida. Para que os acusados se tornem réus, é necessário que três dos cinco ministros aceitem a denúncia da PGR.

Defesas

Durante a fase de apresentação de defesa, os advogados de Domingos Brazão pediram a rejeição da denúncia por falta de provas, argumentando que o STF não deveria julgar o caso devido à presença de um parlamentar nas investigações. A defesa de Chiquinho Brazão afirmou que as acusações não têm relação com seu mandato parlamentar e que não há provas de ligação dos irmãos com ocupação ilegal de terrenos no Rio de Janeiro.

A defesa de Rivaldo Barbosa também pediu a rejeição da denúncia, alegando que o ex-chefe da Polícia Civil não tem ligação com o homicídio. Robson Calixto, representado por seu advogado, destacou que não foi denunciado pela morte de Marielle e que não figurou como investigado no caso. O advogado de Ronald Pereira argumentou pela falta de provas para a aceitação da denúncia, sugerindo a anulação do acordo de delação de Ronnie Lessa, por ausência de evidências de que Ronald monitorava a rotina da vereadora.

RELACIONADAS

MAIS LIDAS

SIGA-NOS

26,000FãsCurtir
13,300SeguidoresSeguir
1,420InscritosInscrever
Sorteio de Bonés no APP
X